Afastamentos Previdenciários

Tipos de Afastamentos de empregados CLT

Afastamentos do Trabalho e Seus Reflexos

Atualmente é muito comum o empregado precisar se afastar do seu trabalho por algum motivo do cotidiano ou até mesmo imprevistos do dia a dia. 

Todo empregado celetista tem uma cobertura e respaldo para vários tipos de afastamentos, para que o mesmo não seja lesado em seus possíveis direitos e sua remuneração.

Vamos falar um pouco sobre cada tipo de afastamento e ausência durante sua jornada de trabalho! 

 

Afastamento por Licença Maternidade


A empregada que recebe em sua vida a vinda de um filho ou filha, precisa se afastar de suas atividades profissionais, visto isso, a lei que protege o empregado garante o afastamento da empregada, seja por filho ou filha por parto natural ou por adoção. 

A mãe afastada recebe o direito de curtir, se adaptar a sua nova rotina, dar a devida atenção ao seu filho por 120 dias corridos, contados a partir de sua dispensa por atestado médico ou a data do seu parto, ou internação, contando com a estabilidade de emprego por 5 meses após o parto. 

Além do afastamento a empresa tem o direito ao recebimento do salário maternidade, sendo pago pela previdência social, lembrando que o valor pago de salário maternidade é correspondente ao salário mensal da empregada para que ela não seja lesada de forma alguma durante o seu afastamento.

Mães que fazem parte de empresas que estão no grupo  “Empresa Cidadã” tem a prorrogação de afastamento de 120 dias corridos para 180 dias corridos; 



 

 

Afastamento por Serviço Militar


O Serviço Militar é previsto por nossa Constituição Federal, ela prevê que todo homem no ano de se completar 18 anos, deve se apresentar à junta militar para prestar serviço ao País, contudo, em “tempos de paz” (Tempo de normalidade política e civil), o cidadão ao se apresentar pode ser dispensado caso não haja interesse das partes na prestação do serviço militar, o cidadão entra na reserva, irá prestar serviços apenas se for convocado de forma urgente. 

O serviço Militar tem impacto direto na vida profissional do empregado, visto que o mesmo é afastado do regime regular da CLT. 

Caso o empregado esteja no momento da sua convocação trabalhando na CLT mantém seu contrato com seu empregador, assim o mesmo não pode ser desligado ou ter seu contrato de trabalho alterado que de alguma forma  o prejudique.

Durante o período que o mesmo é afastado do trabalho para servir a sua nação, a legislação trabalhista prevê que o empregado não tem direito a sua remuneração, ou seja, o empregador não precisa realizar nenhum tipo de pagamento ao empregado, porém é importante lembrar que  as vantagens adquiridas (aumento salário, aumento de vale-refeição ou alimentação e etc…) o empregado terá direito em seu retorno, seu período de afastamento também o exclui da contagem de avos que dão direito a férias e seu 13º. 

O empregador deve recolher os 8% de FGTS  que o empregado tem direito durante seu afastamento para servir, porém, referente ao INSS, como não há remuneração, logo é de entendimento que o mesmo não precisará recolher o imposto a previdência social.  

Ao chegar ao fim de seu período de serviço militar/afastamento para servir, o empregado tem até 30 dias corridos para retornar ao seu empregado caso assim desejar. 

 

Afastamento por Invalidez (Aposentadoria por Incapacidade Permanente)


Infelizmente qualquer pessoa é passível de algum problema de saúde que o incapacite de exercer sua profissão, visto isso, a previdência social dá suporte ao empregado com o afastamento por invalidez ou conhecido atualmente como aposentadoria por incapacidade permanente. 

No meio técnico definimos tal afastamento como “A Aposentadoria por Invalidez é um benefício previdenciário por incapacidade concedido ao segurado que, em razão de alguma moléstia ou incapacidade, não pode mais exercer atividades laborativas”.

Tem direito ao salário de aposentadoria por invalidez o empregado que tenha contribuído pelo menos durante 12 meses, e que no momento da sua invalidez esteja com a contribuição ativa, ou seja, um empregado ativo com sua contribuição ao INSS, existem algumas doenças que excluem o tempo de carência do INSS são elas: tuberculose ativa, hanseníase, alienação mental, esclerose múltipla, hepatopatia grave, neoplasia maligna, cegueira, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante entre outras.

A incapacidade/invalidez do empregado precisa ser avaliada por um médico da previdência social, o mesmo irá determinar em laudo se a mesma é parcial ou total.

O contrato de trabalho do empregado que for segurado por incapacidade laboral é suspenso para que a aposentadoria seja iniciada. 

O valor da aposentadoria é calculado mediante a uma conta da previdência sobre todos os salários do empregado desde 1994.  

A Aposentadoria por Invalidez é descontinuada se o segurado voltar a trabalhar, quando falecer, ou quando recuperar a capacidade para o trabalho.

 



Afastamento por Doença


Diferente do afastamento por invalidez, o afastamento por doença, sendo um benefício pago pela Previdência Social para os trabalhadores avaliados pelo médico do INSS, precisam ficar de forma temporária, afastados de suas atividades laborais.

É importante entender que existem dois tipos de Auxílio-Doença, são eles: 



  • Auxílio-Doença Comum: Pago para empregados que ficam mais de 15 dias afastados de suas atividades laborais por algum acidente ou doença contraída fora da empresa, pode exemplo uma queda onde o mesmo quebrou algum osso ou até mesmo uma pneumonia. É importante lembrar que existe um tempo de carência para que o mesmo tenha seu direito efetivado, o empregado precisa contribuir por pelo menos 12 meses com a previdência. Outro detalhe interessante é que a empresa não tem a obrigação de recolher o FGTS enquanto o empregado estiver recebendo o benefício. 



  • Auxílio-Doença Acidentário: O auxílio é pago para os empregados que ficam afastados por mais de 15 dias em razão de um acidente ou doença do trabalho. Um detalhe diferente do auxílio-doença é que no caso do auxílio-acidente, o empregador é obrigado a fazer o recolhimento do FGTS do empregado normalmente. 



É importante destacar que o auxílio-doença não pode ser solicitado para doenças antigas do empregado, ou seja, doenças pré-existentes ou que já tenham acontecido ao empregado.

O empregado tem o direito de retornar ao seu trabalho depois que receber alta da perícia médica da Previdência Social. 

Vale lembrar que o auxílio-doença acidentário prevê estabilidade de 12 meses ao trabalhador que retorna às suas atividades normais.




 

Destaques do blog

Conforme a Instrução Normativa n° 1702/2017, a Declaração Única de Exportação (DU-E) é um documento eletrônico que contém informações aduaneiras, administrativas, comerc...

O Classificador Fiscal by Busca Legal é uma ferramenta inovadora que permite às empresas classificar de forma segura e assertiva as mercadorias que comercializam, antes da emissão...

A Lei nº 14.148 de 2021, conhecida como PERSE (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos), foi promulgada para apoiar as empresas do setor de eventos gravemente impactada...

Conforme publicado recentemente em nosso Blog Fiscal, devido ao estado de calamidade pública decretado no estado do Rio Grande do Sul, desde às 16h do dia 06/05/24, não estavam&nb...

No dia 22/05/2024, foi publicado no Diário Oficial do Estado da Paraíba o Decreto nº 45.078/2024, que altera as regras sobre o fornecimento de informações por instituições e i...

Devido às fortes chuvas que atingiram diversas regiões do Rio Grande do Sul, foi publicada, em edição extra do DOU (Diário Oficial da União), a Portaria RFB Nº 415 e 419 de 06...

No dia 22 de maio de 2024, foi publicada no Portal Nacional da NF-e a Nota Técnica 2014.002 versão 1.20, que inclui o evento “Ator Interessado”. Um dos principais desaf...

Devido à catástrofe extratropical ocorrida no estado do Rio Grande do Sul, o estado tem recebido doações de diversas partes, incluindo doações internacionais, com o objetivo de...

A Nota Orientativa FGTS Digital nº 04/2024, publicada no portal do FGTS Digital, define os procedimentos para a suspensão dos recolhimentos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç...

No Diário Oficial da União de 17 de maio de 2024, foi divulgada a Instrução Normativa n° 2194, que modifica a Instrução Normativa RFB nº 2.121, consolidando as regras referen...

O evento de Registro de Passagem nos documentos fiscais, indica para o ente tributante que as mercadorias referenciadas na Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e Conhecimento de Transporte...

No dia 17/05/2024, por meio do Ato Declaratório Executivo CODAR nº 15/2024, a Receita Federal do Brasil instituiu e realizou as seguintes alterações em  códigos de receita ...

Visite nossa página de FAQ
Tire Suas Dúvidas