EFD-ICMS/IPI: BLOCO G

BLOCO G

O Bloco G é uma parte da Escrituração Fiscal Digital (EFD), que faz parte do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) no Brasil.

   

A EFD-ICMS/IPI (Escrituração Fiscal Digital do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços/Imposto sobre Produtos Industrializados) é o sistema eletrônico que as empresas brasileiras utilizam para registrar informações fiscais e contábeis para cumprir suas obrigações tributárias quanto suas aquisições de ativos permanentes.

     

O Bloco G é uma das partes dessa escrituração e trata especificamente dos registros de controle de créditos fiscais relacionados as compras de ativos permanentes utilizados na operação das organizações contribuintes do ICMS, ou seja os imobilizados.

   

As compras desses imobilizados, diz respeito aos bens móveis e imóveis que a empresa possui, em conjunto com os equipamentos e materiais permanentes para a realização das atividades do negócio, ou seja dos ativos que estão ligados diretamente as receitas operacionais dessa organização.

Nesse momento é que surge o Benefício Fiscal chamado CIAP.

       

O QUE É CIAP?

O CIAP (Controle de Crédito de ICMS do Ativo Permanente) é um sistema de controle fiscal utilizado no Brasil para acompanhar e registrar os créditos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) relacionados aos bens do ativo permanente das empresas.

Ele é uma parte importante do sistema tributário brasileiro e visa permitir que as empresas recuperem o ICMS pago na aquisição de bens que serão utilizados em suas atividades produtivas, como máquinas, equipamentos e veículos.

 

A principal finalidade do CIAP é permitir que as empresas deduzam o ICMS pago na compra de ativos permanentes do valor devido do imposto nas operações subsequentes. Isso contribui para a redução da carga tributária, tornando o processo de aquisição de bens mais eficiente do ponto de vista fiscal.

Alguns pontos importantes relacionados ao CIAP incluem:

   

Registros no CIAP: As empresas devem manter registros detalhados de todas as aquisições de bens do ativo permanente, incluindo informações sobre o fornecedor, data da compra, valor do ICMS pago e outros detalhes relevantes.

   

Utilização de Créditos: Os créditos acumulados no CIAP podem ser utilizados para abater o valor do ICMS a ser pago nas operações subsequentes. Essa utilização é realizada de acordo com as regras e prazos estabelecidos na legislação de cada Unidade Federativa.

   

Controle e Regularização: As empresas devem manter o CIAP organizado e atualizado para facilitar o controle fiscal e evitar problemas em auditorias ou fiscalizações. É importante também estar em conformidade com a legislação estadual, pois as regras podem variar de estado para estado.

   

Perda de Créditos: Em caso de saída, transferência, perda ou destruição dos bens do ativo permanente, as empresas podem perder os créditos de ICMS referentes a esses bens. Portanto, é importante registrar essas operações adequadamente no CIAP.

   

Registro Eletrônico: O CIAP é geralmente mantido de forma eletrônica, como parte da Escrituração Fiscal Digital (EFD), que faz parte do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

   

Dessa forma a relevância do Bloco G principalmente para empresas que realizam operações com bens de ativo permanente e estão sujeitas ao ICMS é ajudar a garantir que os créditos fiscais sejam adequadamente registrados e utilizados, proporcionando benefícios fiscais significativos para essas organizações.

   

Saiba mais sobre o assunto visitando nossa página:

           

ESTRUTURA BLOCO G

Os Registros que compõem o Bloco G (Controle do Crédito de ICMS do Ativo Permanente – CIAP) da Escrituração Fiscal Digital EFD-ICMS/IPI, tem como objetivo de demonstrar o cálculo da parcela do crédito de ICMS apropriada no mês, decorrente da entrada de mercadorias destinadas ao ativo imobilizado, segue abaixo sua estrutura:

                           

Registro G001 – Abertura do Bloco G: Este registro deve ser gerado para abertura do bloco G, indicando se há registros de informações no bloco;

     

Registro G110 – Ativo Permanente – CIAP: Este registro tem o objetivo de prestar informações sobre o CIAP:

a) saldo de ICMS do CIAP, composto pelo valor do ICMS de bens ou componentes (somente componentes cujo crédito de ICMS já foi apropriado) que entraram anteriormente ao período de apuração. (campo 4);

b) o somatório das parcelas de ICMS passíveis de apropriação de cada bem ou componente, inclusive aqueles que foram escriturados no CIAP em período anterior (campo 5); Guia Prático EFD-ICMS/IPI – Versão 3.1.5 Atualização: 24 de agosto de 2023 Página 253 de 360;

c) o valor do índice de participação do somatório do valor das saídas tributadas e saídas para exportação no valor total das saídas (campo 8) – (o valor é sempre igual ou menor que 1 (um);

d) o valor de ICMS a ser apropriado como crédito. Esse valor (campo 9) será apropriado diretamente no Registro de Apuração do ICMS, como ajuste de apuração, salvo se a legislação obrigar à emissão de documento fiscal;

e) o valor de outras parcelas de ICMS a ser apropriado. Esse valor (campo 10) será apropriado diretamente no Registro de Apuração do ICMS, como ajuste de apuração, salvo se a legislação obrigar à emissão de documento fiscal;

 

 

Registro G125 – Movimentação de Bem ou Componente do Ativo Imobilizado: Este registro tem o objetivo de informar as movimentações de bens ou componentes no CIAP e a apropriação de parcelas de créditos de ICMS do Ativo Imobilizado. Inclui-se no conceito de movimentação:

a) entrada de bem ou componente no CIAP;

b) saída de bem ou componente do CIAP;

c) baixa de bem ou componente do CIAP;

d) entrada no CIAP pela conclusão de bem que estava sendo construído pelo contribuinte (exceto quando o bem ou componente gerar créditos a partir do momento de sua entrada);

     

Registro G126 – Outros créditos CIAP: Este registro tem por objetivo discriminar os demais valores a serem apropriados como créditos de ICMS de Ativo Imobilizado que não foram escriturados nos períodos anteriores, quando a legislação permitir;

       

Registro G130 – Identificação do Documento Fiscal: Este registro tem o objetivo de identificar o documento fiscal que acobertou a entrada ou a saída do bem ou componente do CIAP;

   

 

Registro G140 Identificação do Item do Documento Fiscal: Este registro tem o objetivo de identificar o item do documento fiscal informado no registro G130;

     

Registro G990 – Encerramento do Bloco G: Este registro deve ser gerado para o encerramento do Bloco G e indica o número total de registros existentes neste bloco.

Todas essas informações também poderão ser encontradas no Guia Prático da EFD ICMS/IPI.


QUEM ESTA OBRIGADO A ENTREGA DO BLOCO G

Empresas Contribuintes do ICMS e IPI:

   

Em geral, todos os contribuintes do ICMS que estejam interessados em se enquadrar no benefício dos créditos de ICMS relacionados as compras de imobilizados direcionados as suas operações (CIAP), consequentemente terão que preencher o Bloco G.

 

É importante destacar que a obrigatoriedade da entrega do Bloco G pode variar entre os Estados e pode ser definida por meio da legislação estadual ou regulamentações específicas de cada Unidade Federativa. Portanto, as empresas devem consultar a legislação estadual de seu Estado de registro para verificar as regras e prazos específicos.


ASSUNTOS RELACIONADOS

Visite nossa página:

     

Destaques do blog

O Decreto nº 599/2023 e a Portaria n° 262/2023 do estado de Mato Grosso estabeleceram a obrigatoriedade de integrar os Meios de Pagamento aos Documentos Fiscais Eletrônicos (NF-e/...

Com o amplo crescimento das lojas on-line e do comércio eletrônico, tanto a Receita Federal quanto a Sefaz Nacional buscaram formas de poder fiscalizar essas operações com mais a...

O Ministério do Trabalho e Emprego – MTE e a Caixa Econômica disponibilizaram diversos canais de atendimento aos empregadores para esclarecer questões sobre a utilização d...

O FGTS Digital é um conjunto de sistemas integrados dedicados à gestão da arrecadação dos valores devidos ao FGTS e à prestação de serviços digitais com o objetivo de melh...

A Escrituração Contábil Fiscal, também conhecida como ECF, é uma obrigação acessória que consolida as informações contábeis e fiscais referentes à apuração do IRPJ (Imp...

e-Financeira é uma obrigação acessória que contém um conjunto de arquivos digitais para prestação de informações sobre operações financeiras à Receita Federal, semestralm...

O Microempreendedor Individual (MEI) é um profissional autônomo. O MEI  quando se cadastra, passa a ter um CNPJ, ou seja, tem facilidades com a abertura de conta bancária, no...

A Secretaria da Fazenda de Pernambuco anunciou através do Portal Nacional da NF-e que, no próximo domingo (21/04), a partir das 7h, realizará uma interrupção no sistema NF-e par...

Foi publicado no Portal Nacional da NF-e no dia 12/04/2024, a informação de que a Receita Federal do Brasil (RFB) está em processo de unificação dos ambientes da Sefaz Virtual d...

O Imposto sobre Serviços (ISS) é uma espécie de tributo, de competência Municipal, que incide sobre toda e qualquer prestação de serviços praticada por pessoa física ou jurí...

Conforme temos acompanhado e publicado em tempo real em nosso blog fiscal as novidades sobre a Escrituração Fiscal Digital das Retenções e Outras Informações Fiscais – EFD-RE...

Por meio do Informe Técnico 2024.002 versão 1.00 publicado em 11/04/2024 no Portal da NF-e, foi divulgada a nova tabela de Meios de Pagamentos da Nota Fiscal Eletrônica NF-e. A ta...